Área do Cliente
Saldo das aplicações no Tesouro Direto cai 75% em 2017, para R$ 2,88 bilhões

Nos últimos cinco meses do ano passado, resgates superaram as emissões de títulos públicos no programa. Número de investidores registrou aumento de 62,7%.

O valor total das aplicações no Tesouro Direto superou em R$ 2,88 bilhões os resgates de investimentos no programa em 2017, informou nesta quarta-feira (24) a Secretaria do Tesouro Nacional.

Esse montante é 74,8% menor que o verificado no ano anterior, quando o valor das aplicações superou o dos resgates em R$ 11,42 bilhões.

O Tesouro Direto é um programa criado em janeiro de 2002 e que permite a pessoas físicas a compra de títulos públicos pela internet.

Segundo o Tesouro Nacional, a queda nas vendas líquidas, no ano passado, se deve ao aumento dos resgates de títulos públicos.

"Além de duas torres de vencimentos altos em Janeiro e Março de 2017 (1,49 bi e 1,54bi respectivamente), as maiores até hoje no programa, os resgates antecipados aumentaram, em um movimento natural que reflete as condições de mercado, com juros mais baixos e valorização dos papéis", informou a instituição.

Analistas de mercado explicam que a venda de títulos públicos pelos investidores, nos últimos meses, pode estar relacionada com o fato de que os juros básicos da economia vêm caindo, o que faz com que os títulos comprados antes da queda, pelas pessoas físicas, valham mais.

Total de recursos aplicados
O saldo total (estoque) de títulos em mercado, segundo o governo, alcançou o montante de R$ 48,5 bilhões em dezembro, uma alta de 0,76% em relação a novembro (R$ 48,1 bilhões).
Na comparação com dezembro de 2016, quando o saldo estava em R$ 41,01 bilhões, o aumento foi de 18,12%.

"Os títulos remunerados por índices de preços respondem pelo maior volume no estoque, alcançando 60,1%. Na sequência, aparecem os títulos indexados à taxa Selic, com participação de 23,1% e, por fim, os títulos prefixados, com 16,8%", informou o Tesouro Nacional.
Apesar da queda nas aplicações líquidas no programa em 2017, houve um forte aumento de 62,7% no número de investidores no ano passado, terminando dezembro em 1,8 milhão de pessoas.
"O número de investidores ativos chegou a 565.758, uma variação de 40,8% nos últimos doze meses", acrescentou a instituição.

Nova ferramenta
Recentemente, o governo lançou uma nova ferramenta do Tesouro Direto para ajudar o investidor a decidir onde aplicar seu dinheiro.
Trata-se de um simulador que permite fazer comparações entre os títulos públicos à disposição, além de compará-los com outras aplicações como poupança, CDB, LCI/LCA e fundo DI.
De acordo com o governo, o objetivo é dar "autonomia e poder de escolha para o investidor", que vai poder identificar rendimentos e vantagens de cada um deles.

fonte: g1.globo